segunda-feira, 21 de abril de 2008


Um homem passava
Na rua ao luar
Um cão uivava
Outro a ladrar
Um sonho voava
Na noite vazia
Cheirava a medo
Já não era cedo
Era hora de terror
Deixara o amor
Como um gato a miar
Gritos e gemidos
Perdeu os sentidos
Já não sabia amar
Recusou os pedidos
De uma boca amarela
Fugia e queria
Perder a mania
De matar por ela
Gato preto que seduz
Uma galinha na cruz
Levantou assim a mão
E no brilhar do luar
Pediu então perdão
Destroçado o coração
Que deixara de sonhar
Uma seta directa
Cuspida pelo fogo
E pelas costas foi
Apunhalado de novo.

1996

1 comentário:

Rosália disse...

Simplesmente fantástico... és apaixonado?? ou foste fortemente apaixonado? Através da escrita revelamos como e o q somos...desc é o sinto qd leio, faço logo um retrato... podes n ser assim.
está magnifico Rosália