quarta-feira, 16 de abril de 2008


Fazia frio; Chovia e ventava,
E eu tremia gelado, aconchegado,
E sonhava desejado, por quem amava,
Em ter-te aqui, por um minuto, a meu lado.

O calor apertava; Escaldante e tórrido,
E eu suava, desesperado, cortada a respiração
Pelo ambiente que se criava, surdo e mórbido.
Mas eu ouvia o teu silêncio, o teu coração.

Pensava o quanto de ti preciso,
Do teu abraço, do teu olhar, do teu sorriso.
Da magia dos teus lábios nos meus fundidos,
A de duas almas com sentimentos unidos.

Mas olhava para cima e esperava,
Num incógnito de imagens, de ruídos,
Seduzido por gestos e olhares atrevidos,
Eu sentia medo e coragem, alegria e tristeza,
Contudo olhava, pensando, para o barco que navegava,
No que é que eu sentia? Eu sentia...nada!
Como se nada me impedisse de ignorar o que se passava.

Verdade é: carne fraca na tentação!
Cada gesto, cada olhar um prego na cruz,
Por um crime, por um pecado - que não tem perdão?
E quem é Cristo, é o tentado ou quem seduz?

Tudo isto porque não sinto o teu abraço, a tua mão, o teu beijo.
Porque não vejo a tua luz, o teu fogo, o teu calor,
Nem a tua garra, a tua força, o teu desejo.
Não sinto o que quero sentir...o teu amor.

Por favor não me deixes fugir!
Abraça-me, agarra-me, prende-me.
Peço-te, porque também não quero ir.

Tenho medo!

1994

4 comentários:

nayma disse...

Este poema tocou-me, porque algures na minha vida íngreme, desenfreada, alucinante...
Já senti este turbilhão de sentimentos, de emoções.

Parabéns...

Anónimo disse...

Senhor passageiro publique um livro. Tens um blog espectacular! Parabéns!

LUIS disse...

Como diz o anónimo acima, um blog espetacular!! Diria mais... BRILHANTE!!! Brilhante como a Luz do Sól que ilumina a Alma de alguém que consegue tirar do aparo da caneta palavras como estas. Muitos Parabéns!

starxandra disse...

Amei este poema (entre outros).
Parabéns pela tua escrita.
A new star is born...